sábado, 10 de dezembro de 2016

Dança inclusiva

Grupo Café Modesto /FTO, que desenvolve o projeto "Participadança: Luz, Câmera e Inclusão", reúne alunos e convidados na noite deste sábado (10), na Usina, em apresentação gratuita

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

O Incrível Menino Preso na Fotografia

Companhia Ruído de Teatro, de Curitiba, se apresenta na Usina nesta quarta e quinta (7 e 8 de dezembro)

Foto: Eli Firmeza (Divulgação)

Um relato da história recente do país do ponto de vista de um estudante da escola pública dos anos 1970 que, desde então, está preso na clássica fotografia tirada sobre a escrivaninha. Por um lado confortável e, por outro infeliz, ele está decidido a esperar pela chegada do futuro radioso e pelo dia em que as promessas serão cumpridas. 

Este é o enredo do espetáculo “O Incrível Menino Preso na Fotografia”, que a Ruído Companhia de Teatro, de Curitiba, apresenta nesta quarta e quinta-feira (dias 7 e 8 de dezembro), às 20 horas, no Teatro da Usina. O projeto foi selecionado pelo Prêmio Arte Paraná, da Secretaria de Estado da Cultura, para circulação por cidades paranaenses. A montagem já passou por União da Vitória, Ponta Grossa e, depois de Londrina, segue para Rio Negro.

Em cena, estão o ator Daniel Valenzuela e o músico Troy Rossilho. Dirigido por Fátima Ortiz, “O Incrível Menino Preso na Fotografia" propõe uma nova montagem do texto do dramaturgo paulista Fernando Bonassi, de forma a confrontá-lo, mais uma vez, com a realidade atual do Brasil.

O espetáculo busca potencializar o discurso do autor numa encenação onde a imobilidade do personagem caminha junto com a possibilidade de movimento. Por meio da memória, do reviver o passado, do inter-espaço de realidade e ficção, a peça propõe o questionamento das relações humanas, afetivas e políticas, a fim de imprimir a face de um país com a necessidade de se repensar. 

Serviço:

O Incrível Menino Preso na Fotografia - Ruído Companhia de Teatro (Curitiba)
Dias 7 e 8 dez (quarta e quinta-feira), às 20 horas
Teatro da Usina (Av. Duque de Caxias, 4159)
Duração: 50 minutos.
Classificação: 12 anos
Ingressos: R$ 10,00 (meia-entrada R$ 5,00)

Ficha Técnica:

Texto: Fernando Bonassi. Direção: Fátima Ortiz. Assistência de Direção: Jean Carlos Sanchez. Elenco: Daniel Valenzuela e Troy Rossilho. Cenário: Ricardo Alberti. Figurino: Carmen Rodriguez. Iluminação: Dani Régis. Composição Musical: Troy Rossilho. Produção Audiovisual: WTF?! Filmes. Preparação Corporal: Juliana Adur. Preparação Vocal: Edith de Camargo. Equipe Técnica: Leo Fressato e Márcio Junior. Direção de Produção: Daniel Valenzuela. Programação Visual: Henrique Martins / Web Mota. Realização: Ruído Companhia de Teatro. Produção: Mataveri Cultural. Apoio: Cia. Pé no Palco e Espaço Criação e Luz.

* Fonte: Ruído Companhia de Teatro

sábado, 26 de novembro de 2016

Teatro no fim de semana

Escola Primeiro Encontro apresenta "O Menino Eterno" no sábado e "Diálogo sobre a Velhice" no domingo


 O MENINO ETERNO
Dia 26/11 (sábado), às 19h30Teatro da UsinaIngressos: R$10,00


A Escola de Artes Primeiro Encontro tem dois espetáculos agendados no Teatro da Usina neste final de semana. No sábado (26), às 19h30, será apresentado "O Menino Eterno", com direção cênica de Murilo de Andrade e Luan Valero e direção musical Paulo Vitor Poloni. 

Ao rememorar os nós da linha de sua vida, o homem adulto se depara, novamente, com vivências que, para sempre, o marcaram. São ambientes e amizades que, numa ordem imprecisa, surgem diante de seus olhos e, com o público, ele compartilha. Adultos assumem, então, um quê de alegorias e a sensação temporal, que por vezes acelera e por vezes ralenta de acordo com a cor de cada lembrança. Um amigo especial e incompreensível é trazido até o então... 


FICHA TÉCNICA
Elenco: Gabriela Catai, Giovanna Correia, Luan Valero, Murilo de Andrade, Nayara Freire, Paulo Vitor Poloni, Raissa Bessa. Direção cênica: Murilo de Andrade e Luan Valero. Direção Musical: Paulo Vitor Poloni. Canções: Natalia Lepri e Paulo Vitor Poloni. Texto: Luan Valero. Figurino: Alex Lima. Cenário: O grupo. Oficina de brincadeiras populares: Vanessa Nakadomari. Realização: Escola de artes Primeiro Encontro


DIÁLOGO SOBRE A VELHICE 
Dia 27/11 (domingo), às 17h
Teatro da Usina

No domingo (27), às 17 horas, outro grupo da escola apresenta "Diálogo sobre a Velhice". A peça baseia-se na metodologia de pesquisa cênica para pessoas com mais de 60 anos, desenvolvida por João Henrique Bernardi, à frente da Casa das Fases - Núcleo de Arte e História com Senhoras e Senhores, durante 27 anos.
As reflexões sobre o envelhecimento visto através do universo feminino passaram a ser o tema central da pesquisa para esta montagem. A partir de depoimentos, memórias e vivências das próprias atrizes, o trabalho conta um pouco de suas histórias de vida, como vivem e seus planos para o futuro. 

FICHA TÉCNICA
Coordenação geral: Devas Girotto. Direção e figurino: Devas Girotto e Elaine Oliveira Souza. Elenco: Benedita Faria Coutinho, Carmen Mattos, Dirce Parra, Munaretto Izete, Maria Rodrigues, Maria José da Costa, Neide Oliveira da Silva, Norma Rute Bub, Rosa Barbara de Jesus, Rosa Maria Galindo, Vilma Valério, Wanda DobruckiKasproviez. Atriz Convidada: Therezinha Gaivota. Texto: Devas Girotto e Elaine Oliveira Souza, com base em memórias e improvisações das atrizes.

* Fonte: Escola Primeiro Encontro


sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Silvia Borba canta Aracy de Almeida na Usina

Apresentação do projeto "Araca: Arquiduquesa do Encantado" acontece nesta sexta à noite, com entrada gratuita



Araca: Arquiduquesa do encantado” é o espetáculo cênico-musical que será apresentado nesta sexta (25/11), às 20 horas, no Teatro da Usina O projeto, idealizado e coordenado pela cantora Silvia Borba, coloca em foco a faceta artística e humana de Aracy de Almeida, umas das maiores cantoras brasileiras de todos os tempos. 

A proposta é dar à cantora Aracy de Almeida (1914-1988) o tratamento merecido como artista. A maioria do público conhece Aracy como jurada geniosa do programa de calouros de Silvio Santos, lugar que ocupou por muitos anos, muitas vezes sem saber que seu talento como cantora a levou a ser considerada por Noel Rosa como sua melhor intérprete. 

Com uma hora de duração, o espetáculo tem o formato de um programa de rádio, principal veículo da época, explica Silvia Borba. “Narramos histórias que revelam a personalidade, os gostos e senso de humor da Aracy”. No repertório estarão músicas engraçadas, de teor cômico, e músicas tristes, todas contribuindo para contar as histórias envolvendo Aracy e o cenário musical da época. A própria Silvia interpreta cênica e musicalmente a homenageada. A montagem tem roteiro e direção de Silvio Ribeiro, direção musical e arranjos de Paulo Vitor Poloni e figurinos de Alex Lima.

“ARACA: ARQUIDUQUESA DO ENCANTADO” 

Dia 25/11, sexta-feira - 20h
Teatro da Usina (Duque de Caxias, 4159)
Entrada gratuita
Ficha técnica
Sílvia Borba – coordenação geral / canto e interpretação
Osório Perez – violão 7 cordas
André Mattos - Clarineta
Guilherme Araújo - bandolim
Lucas Dias – pandeiro
Leonardo Capeletti – ator
Direção e roteiro: Sílvio Ribeiro
Direção musical e arranjos: Paulo Vítor Poloni
Figurinos: Alex Lima
Produção : A Cor da Terra Produções


* Com informações da assessoria de comunicação

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Grupo Nós de Teatro abre temporada no final de semana


Neste sábado e domingo tem "Lembranças de uma Batucada (O Carnaval dos Macacos)". Nos dias 5 e 6 de novembro, entra em cartaz “A Estalagem da Ponte Velha”



O Grupo Nós de Teatro abre temporada de apresentações na Usina, com dois espetáculos que levam a um passeio pelo fantástico e pela imaginação: “Lembranças de Uma Batucada (O carnaval dos macacos)” neste final de semana (dias 29 e 30 de outubro) e “A Estalagem da Ponte Velha” nos dias 5 e 6 de novembro, sempre às 20 horas.

Nos dois trabalhos, os espectadores são recebidos como convidados dentro do espaço de cena. Em “Lembranças de uma batucada (O carnaval dos macacos)”, três estrangeiros querem compartilhar lembranças e canções das festas que tinham em uma fantástica terra distante.

Já em “A Estalagem da Ponte Velha”, os anfitriões acolhem suas visitas em um lugar mágico: uma estalagem que não abriga seres humanos, mas sonhos e lembranças. Suas paredes são construídas pela imaginação.

O Grupo Nós de Teatro foi fundado em 2014 por estudantes do curso de Artes Cênicas da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Entre os interesses da pesquisa criativa do grupo estão a investigação do espaço sonoro da ação por meio de cantos, textos, improvisações sonoras; o trabalho sobre o espaço por meio do treinamento, do movimento, da ação; as relações criadas e fixadas pelos atuantes por meio de ações físicas, e obras que exploram uma relação de proximidade física entre artistas e público.

Grupo Nós de Teatro apresenta:

“Lembranças de uma batucada” -Dias 29 e 30 de outubro (sábado e domingo), Às 20 horas – Faixa etária: Livre.

“A Estalagem da Ponte Velha” – Dias 5 e 6 de novembro (sábado e domingo), às 20 horas. Faixa etária: 12 anos.

Local: Teatro da Usina Cultural – Av. Duque de Caxias, 4159.

Ingressos: R$ 10,00 e R$ 5,00 (meia)



Fonte: O Grupo

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Festival de Dança traz a Londrina, nesta quarta, "Dezuó, breviário das águas"

Núcleo Macabéa, de São Paulo, monta no palco da Usina uma instalação cênica que reproduz a inundação de comunidade ribeirinha. Grupo está indicado ao Prêmio Shell 2016 nas categorias cenário e autor 

Edgar Castro em "Dezuó, breviário das águas" (Foto: Cacá Bernardes)
Um espetáculo que dá voz aos povos silenciados, que tiveram de abandonar sua vida nas margens dos rios e migrar para os grandes centros. "Dezuó, o breviário da Águas", montagem do Núcleo Macabéa (SP), que será apresentada nesta quarta (5), às 20h30, aqui na Usina, aborda por a questão ambiental com contundência poética. E vai direto no tema abordado pela curadoria do Festival de Dança de Londrina 2016.  

A expulsão do menino Dezuó e de sua família da Vicinal do Vinte Um, comunidade ficcional ribeirinha, motivada pela construção de uma usina hidrelétrica no Rio Tapajós (oeste do Pará, na Amazônia brasileira) é o mote deste espetáculo. Com direção de Patricia Gifford, a montagem da peça do poeta e dramaturgo paraense Rudinei Borges reconstitui a trajetória do menino que, após a dissolução de sua vila natal, refugia-se na cidade, onde torna-se andarilho.

O ator Edgar Castro, também paraense, está em cena com o músico Juh Vieira para narrar a trajetória memorialista do andejo Dezuó, que adentra as facetas adversas da cultura e das realidades do Brasil para refletir sobre a negação do direito à terra e a consequente disfunção social, fruto direto de uma política desenvolvimentista operacionalizada à margem da legalidade.

A montagem do Núcleo Macabéa convida o público a mergulhar na história por meio de uma instalação cênica em arena que reproduz a inundação da comunidade e dos sonhos do menino. Com música ao vivo e texto de particular beleza, o espetáculo está indicado ao Prêmio Shell 2016 nas categorias cenário (Telumi Hellen) e autor (Rudinei Borges).

Espetáculo "Dezuó, breviário da águas" 
Dia: 5 de outubro (quarta-feira)
Horário: 20h30
Local: Usina Cultural (Av. Duque de Caxias, 4159)
Duração: 75 minutos
Classificação indicativa: 14 anos
Ingressos: R$ 10,00 | R$ 5,00 (meia-entrada), à venda na portaria da Usina, uma hora antes do início da apresentação.


Ficha Técnica:
Dramaturgia: Rudinei Borges Direção: Patricia Gifford
Atuação: Edgar Castro
Direção musical/músico em cena: Juh Vieira
Direção de arte: Telumi Hellen
Assistente de arte: Andreas Guimarães
Apoio técnico: Thales Alves
Iluminação: Felipe Boquimpani
Preparação corporal e vocal: Antonio Salvador
Projeto gráfico: Murilo Thaveira (casadalapa)
Fotografia e vídeo: Cacá Bernardes e Bruna Lessa (bruta flor filmes)
Assessoria de imprensa: Adriana Monteiro
Direção de produção: Isabel Soares
Parceria: Casa Livre
Realização: Núcleo Macabéa

O Festival de Dança de Londrina tem patrocínio da Prefeitura Municipal de Londrina, por meio do PROMIC (Programa Municipal de Incentivo à Cultura), da Caixa Econômica Federal e Teatro Mãe de Deus. O evento é uma realização da APD (Associação dos Profissionais de Dança de Londrina e Região Norte do Paraná), com apoio institucional da Funcart. Apoio: FranceDanse Brasil 2016, Institut Français, Embaixada da França no Brasil, Shop Ballet/Só Dança, Kinise Dancewear, Pastel Mel, Usina Cultural e Rádio UEL FM.

* Com informações da Assessoria de Imprensa do Festival.




sexta-feira, 29 de julho de 2016

Teatro Kaos reapresenta "Fim de Partida"

Grupo está em cartaz no Teatro da Usina nesta sexta (29) e sábado (30), às 20 horas

Foto: Teatro Kaos

A Cia Teatro Kaos volta a encenar o espetáculo "Fim de Partida" neste final de semana, às 20 horas, no Teatro da Usina. Com dramaturgia, concepção e direção de Edward Fão, a peça retrata um homem à beira da morte, assistido por um enfermeiro que busca amenizar os sofrimentos e as dores físicas do paciente em um leito de hospital. O drama existencialista do ser humano fadado a uma morte que nunca chega é o tema do espetáculo. No elenco, estão Edward Fão e Aimee Neuman.

SERVIÇO
Dias 29 e 30 de agosto (sexta e sábado)
Horário: 20 horas
Teatro da Usina: Av. Duque de Caxias, 4159.